This post is also available in: deDeutsch enEnglish

O Projeto Tor agora está agora aceitando doações em Dash e em oito outras criptomoedas para financiar a iniciativa de aumentar a privacidade dos indivíduos com “proteção contra rastreamento, vigilância e censura”.


As doações serão usadas para pagar os 47 funcionários remunerados do Projeto Tor, já que eles ainda dependem de milhares de “desenvolvedores, designers, operadores de relay, pesquisadores, criptógrafos, cientistas da computação, e defensores da privacidade” pelo mundo para manter a plataforma em execução. O Tor funciona “fazendo suas comunicações saltarem pela rede Tor, que é uma rede distribuída de relays operados por voluntários pelo mundo” e “evita que [indivíduos] descubram que sites você está visitando” ou “sua localização”.

O Projeto Tor é aberto e pode ser usado por qualquer um incluindo “jornalistas, defensores dos direitos humanos, sobreviventes de violência doméstica, legisladores, diplomatas, instituições acadêmicas e de pesquisa”. O Projeto Tor é uma organização sem fins lucrativos 501(c)3 isenta de impostos que atualmente tem base em Boston, Massachusetts, nos EUA, e foi fundada em 2006. O Tor depende de várias fontes de financiamento para evitar centralização e portanto se expandiu para mais opções de criptomoedas para permitir doações novas e mais privadas.

Diferentes variações de privacidade

Um usuário do reddit, Silent Lennie, fez uma boa comparação entre os serviços do Tor, VPNs e as criptomoedas, pois “a única coisa que eles fazem para você, como usuário, é esconder não o seu tráfego, mas que aquele tráfego veio de você” e, “se o tráfego em si não está encriptado ou mesmo se ele estiver algumas vezes, o tráfego pode conter informações que contam aos outros que ele é seu”. Ele então ilustrou como um serviço de VPN só pode esconder a origem do tráfego, mas não onde ele está indo desde que ele sai do “túnel” do VPN ou os metadados que poderiam dar pistas sobre o usuário.

Comparando com as criptomoedas, a maior parte das moedas armazenam todas as informações na blockchain depois de serem verificadas pelos proprietários de chaves privadas e pela rede. Isto dá um registro completo de todas as transações, o que torna a maior parte das criptomoedas somente pseudônimas e requer que o usuário seja cuidadoso para não ligar seu endereço de criptomoedas à sua identidade pessoal caso queira manter sua privacidade. O redditor também detalhou como as criptomoedas que usam criptografia só escondem a origem da transação, assim como os VPNs ou o Tor escondem endereços de IP. No entanto, o mixing, como o do PrivateSend pode ajudar a “quebrar a relação entre 2 endereços pseudônimos”.

A Dash está dedicada a aumentar a privacidade dos indivíduos

Há muito tempo, desde seus dias como Darkcoin, a Dash está comprometida em oferecer uma melhor privacidade para os consumidores. Enquanto a Dash mudou seu foco para se tornar dinheiro digital cotidiano, ela não esqueceu seus clientes focados em privacidade e portanto construiu o PrivateSend como uma opção de transação para aqueles que quiserem usá-lo, mas não obrigatório para aqueles que não querem usar o serviço. Como o post do reddit mencionou, o PrivateSend ajuda a esconder o link entre os endereços pseudônimos fazendo um mixing do dinheiro. Além disso, o PrivateSend recentemente ficou mais rápido e barato com a atualização 12.4, que introduziu uma denominação menor (0.001 Dash) e aumentou a quantidade máxima de rodadas de mixing de oito para dezesseis. Essas funcionalidades ajudam a Dash a servir melhor os consumidores que querem manter sua privacidade, tornando a Dash um par perfeito para doações ao Tor.