This post is also available in: Français Deutsch Русский English

De acordo com o CEO do Dash Core Ryan Taylor, a Blockstream foi bem-sucedida em desviar o Bitcoin do seu objetivo original de servir como dinheiro digital p2p.

Durante uma recente conversa no Twitter, Adam Back — desenvolvedor do Bitcoin Core e CEO da Blockstream, companhia de soluções off-chain para o Bitcoin — apresentou uma analogia para o Bitcoin com metais preciosos, insinuando que as desacelerações programadas no aumento do suprimento, ou halvings, terão um efeito no aumento de preço:

“Hora da analogia: há uma mineração da terra-rara bitcoinium, e sabe-se que o metal foi praticamente completamente minerado de depósitos em uma de duas minas, operando em capacidade máxima, então podemos ver que em 10 meses a taxa de crescimento do suprimento vai cair pela metade. O preço é volátil e movido principalmente por seu uso como uma commodity monetária.

Usando o raciocínio econômico convencional nesse metal de terra-rara hipotético do bitcoinium, com a relação de estoque e fluxo pós halving se igualando à do ouro, mas com uma volatilidade de preço muito maior, qual é a sua expectativa de preço logo antes e depois do halving da taxa de suprimento em 10 meses: choque no suprimento -> aumento, ou mercado eficiente -> sem mudança?”

Ryan Taylor — CEO do Dash Core, o braço principal de desenvolvimento do Dash — respondeu notando a transição do Bitcoin para longe de um sistema de pagamentos para uma perspectiva puramente de reserva de valor:

“A transição do Bitcoin para longe de “dinheiro digital p2p” feita pela Blockstream está quase completa. Só plante algumas analogias com metais aqui e ali, eeeee PRONTO!”

De acordo com o whitepaper original do Bitcoin, a tecnologia se propunha a servir como um “sistema de dinheiro eletrônico p2p”. No momento, devido às altas taxas e demora nas confirmações, e uso completo da capacidade da rede, isso não parece mais ser o caso.

Como gradualmente o Bitcoin foi deixando de ser um método prático de pagamento

O Bitcoin se afastou gradualmente do caso de uso de pagamentos baratos e eficientes.

De acordo com dados do BitInfoCharts, nos últimos cinco anos a taxa mediana de transação do Bitcoin saiu do nível de um único centavo para mais de 10 centavos em 2016 até um recorde de 34 USD no final de 2017, depois de volta para os níveis recentes de 67 centavos. Adicionalmente, os volumes de transação continuaram abaixo das 500 000 transações diárias devido ao tamanho limitado de bloco. Desenvolvedores proeminente previram que taxas altas são o futuro do Bitcoin, e muitos se mantiveram críticos acerca do redimensionamento on-chain.

Este pode ser o resultado de um conflito de interesses inerente dos principais desenvolvedores do Bitcoin também serem membros pagos da companhia Blockstream, cujas principais ofertas giram em torno de soluções off-chain para criptomoedas.

O comprometimento do Dash em ser dinheiro digital p2p

Apesar do Bitcoin continuar a rumar em direção a uma simples reserva de valor, o Dash continua a buscar a meta de ser uma moeda digital p2p e inovar nesse caso de uso. A recente implementação no Dash do ChainLocks e das melhorias para o InstantSend significam que agora mais transações são permanentemente finalizadas em uma fração de segundo, e são extremamente seguras contra ataques na rede. Essa utilidade para transações mais rápidas e mais baratas levou a um aumento nos pagamentos em Dash, como evidenciado nos novos dados de pagamentos no ecommerce comparando com o Bitcoin.