This post is also available in: Français Deutsch Русский English

O Wells Fargo está sendo processado por um antigo empregado que alega que, em vez de investigar propriamente as acusações, o banco cancelou deliberadamente as contas daqueles que reclamavam de fraudes “sob o pretexto de ‘decisão de negócios'”.

Matthew Valles é o antigo empregado que está fazendo o processo e ele também alega que foi indevidamente “demitido em retaliação por suas reclamações quanto a ‘centenas’ de casos mal conduzidos”. Requer-se por lei que um banco investigue as alegações de fraude dos clientes, mas Valles alega que havia uma “cultura interna cuja ‘diretiva’ era ‘atingir as métricas do Wells Fargo a qualquer custo'”. Essas ações fizeram com que os clientes tivessem que absorver todos os custos de fraude por si próprios no lugar do banco.

Esta acusação se junta ao mal comportamento anterior de abrir contas para clientes sem o consentimento deles. O Wells Fargo teve que pagar 110 milhões de USD numa ação coletiva e 185 milhões de USD para o governo federal e o da Califórnia. Eles também foram recentemente punidos pela Federal Reserve com sanções que restringem o seu crescimento até que o Wells Fargo resolva seus problemas.

Redes descentralizadas que dispensam confiança são uma alternativa

Os bancos originalmente surgiram de necessidade, por conta dos altos riscos para os consumidores para armazenar a sua liquidez em suas casas. Os bancos eram capazes de oferecer segurança, sendo um terceiro confiável e centralizado que iria juntar os fundos de todos e investir em proteções tais como cofres, seguros, e processadores centrais de pagamentos para proteção contra furto ou fraude. Agora as criptomoedas com blockchain são capazes de alcançar segurança por meio de uma rede descentralizada que prescinde de confiança. As criptomoedas estão distribuídas por milhares e milhares de computadores economicamente incentivados pelo mundo resolvendo algoritmos matemáticos complexos, que permitem que os consumidores tenham confiança para armazenar a sua liquidez em um sistema descentralizado sem precisar confiar em nenhum indivíduo ou organização específica. Este sistema permite aos consumidores terem acesso imediato a sua liquidez sem sacrificar a segurança.

Alguns críticos apontam para o fato de que algumas casas de câmbio — não blockchains — foram hackeadas e que isso levou os usuários a perderem fundos. No entanto, o incidente do Wells Fargo demonstra que a perda de fundos não é um fenômeno isolado ao espaço crypto. Os consumidores ainda terão que passar por um processo lento e demorado para conseguir o seu dinheiro de volta do Wells Fargo. Além disso, as criptomoedas impedem a perda ilícita e repetitiva de dinheiro por hacking através de incentivos adicionais. As criptomoedas reduzem o risco moral que surge no sistema bancário tradicional quando os consumidores têm que acreditar que o seu dinheiro está assegurado pelo banco e pelo governo. Os consumidores falham em executar a diligência prévia necessária e a supervisão de seus bancos, o que leva tais bancos a assumirem riscos desnecessários e má conduta. As criptomoedas são o oposto, já que põem no consumidor a responsabilidade de garantir a qualidade de suas criptomoedas, mantendo sua reserva de liquidez, e de exigir mudanças caso não esteja tudo certo. Este é um sistema de incentivos propriamente estruturado para garantir que ambas as partes busquem melhorar uma a outra.

A Dash oferece uma blockchain segura e ferramentas financeiras sólidas

Muitas das maiores blockchains, incluindo a Dash, oferecem uma forte segurança e incentivos econômicos acertados. Primeiramente, a Dash possui uma hashrate de pouco mais de 2.5 petahashs. Subindo do 1 petahash de alguns meses atrás, o que adiciona ainda mais segurança para a blockchain da Dash. No entanto, a Dash se diferencia do resto das criptomoedas com um sistema singular de governança e tesouraria. A base crescente de masternodes está altamente investida na Dash e portanto tem um incentivo para melhorar a confiança dos consumidores nela, para manter e aumentar o seu uso e valor. Os Masternodes querem investir devidamente os fundos da tesouraria em projetos que estão melhor posicionados para melhorarem a segurança da Dash e servir as demandas do consumidor. Esses projetos englobam muitos dos canais necessários para satisfazer os clientes começando com o Core com desenvolvedores remunerados fortalecendo continuamente a Dash, também com soluções de terceiros e parcerias para aumentar as integrações com a Dash, e até mesmo conferências e patrocínios para melhor divulgar a Dash.

Esses incentivos econômicos adicionais vão acima e além da tradição.