This post is also available in: frFrançais deDeutsch ruРусский enEnglish

Na última sexta-feira, o Banco de Reserva da Índia comunicou que “todas as entidades sob sua regulação teriam três meses para cortar relações com qualquer serviço que lide com criptomoedas.” Nessa mesma época, o Banco do Estado do Paquistão decretou regulações similares para bancos e entidades financeiras sob seu domínio regulatório.

Os preços globais das criptomoedas se movimentaram pouco, mas a casa de câmbio local Coinome disse que o preço local do Bitcoin caiu mais de 1 000 USD em comparação com o preço global. Também deve ser notado que essas regulações não são um banimento das criptomoedas. Um banimento iria requerer ação legislativa. Essas regulamentações são só para os bancos e entidades financeiras que devem se curvar ao poder regulatório do seu respectivo banco central. Ainda assim, isso impacta significativamente o gargalo da troca de moeda fiduciária por criptomoedas e vice-versa.

Uma petição do Change.org até agora recebeu mais de 20 000 assinaturas para influenciar o Banco de Reserva da Índia e o governo a reconsiderarem a sua posição em relação às criptomoedas.

As criptomoedas ainda têm fortes casos de uso legais

Já que as criptomoedas não foram completamente banidas da legislação da Índia, nem do Paquistão, e que só o câmbio entre criptomoedas e moedas fiduciárias por bancos foi limitado, os seus casos de uso legais ainda partem de indivíduos recebendo um salário diretamente em criptomoeda e comprando bens e serviços com tais criptomoedas. Este é um mercado significativo tanto na Índia quanto no Paquistão devido às limitadas taxas de inclusão bancária em ambos os países e devido à guerra da Índia contra o dinheiro.

A Índia conseguiu conquistas significativas quanto a adesão a contas bancárias desde que o último “Global Findex Database” do banco mundial foi publicado em 2014 e indicou que a taxa de adesão da população ao sistema bancário era de 53%. No entanto, a recente estatística do próprio governo da Índia indica que as suas iniciativas estão tendo retornos marginais decrescentes. O Paquistão tinha uma taxa de adesão ao sistema bancário ainda menor em 2014, cerca de 13%, com dados recentes escassos.

O impacto do recente banimento do dinheiro em espécie por parte do Primeiro Ministro Indiano Modi fez muitos indivíduos pobres ficarem mais pobres: sem uma conta bancária, e sem os meios para pagar por bens ou serviços. Além disso, a eliminação do suprimento de dinheiro poderia criar uma deflação, mas também poderia aumentar a demanda e causar uma inflação, afinal muitos podem gastar mais esperando uma nova surpresa do governo no futuro. Para muitos indivíduos na Índia, a principal funcionalidade do dinheiro era a facilidade em trocá-lo por bens e serviços, mas Modi alterou essa dinâmica.

A combinação de criptomoedas com contas bancárias e outras entidades financeiras fecharia a lacuna para muitas pessoas em ambos os países, algumas das quais precisam de inclusão financeira, mas isso não é mais possível. Felizmente, indivíduos que costumavam ser pagos em dinheiro podem agora ser pagos diretamente em criptomoedas, e usar essa criptomoedas em várias lojas físicas ou online.

A Dash está focada na usabilidade para o cotidiano

A Dash tem times fazendo campanhas pelo mundo todo para conseguir que ela seja aceita por mais usuários e comerciantes. O RocketPay recentemente começou uma campanha para aumentar a adesão à Dash dos usuários e comerciantes da Ásia, e estão até mesmo oferecendo uma solução em Dash para os comerciantes. A QuikWallet está pesadamente envolvida na Índia por meio de atividades licenciadas pelo banco central, e recentemente incluiu uma integração com a Dash. Enquanto as notícias recentes podem ser um empecilho, a sua rede de comerciantes com mais de 4 500 lojas online e físicas é um sinal positivo de uma maior adesão direta à Dash e uma troca entre comerciantes e usuários.

Os incentivos para usar a Dash são prevalentes pela Índia e Paquistão, e a Dash satisfaz os consumidores com sua estrutura única de moeda descentralizada que é capaz de se sustentar financeiramente para o bem de seus usuários. Além disso, a Dash tem transações bem rápidas e taxas baratas que a tornam competitiva com o dinheiro. O crescimento econômico rápido da Índia e seus tropeços, assim como a baixa taxa de inclusão bancária do Paquistão tornam ambos os países ideais para uma maior adesão à Dash conforme a conscientização continua a crescer.